NOTÍCIAS

Postado em 27 de Fevereiro às 11h04

Setor de carnes cobra ministro por falta de auditores fiscais

  • Mercoagro – Edição 2018 -

O setor de carnes voltou a reclamar com o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, da falta de
auditores fiscais agropecuários nos frigoríficos e do atraso na implementação de mudanças no sistema de inspeção animal anunciadas em 2017. Em reunião ontem com o ministro em Brasília, empresários e dirigentes de entidades que representam companhias do ramo também cobraram mais agilidade no processo de reabertura do mercado russo às carnes bovina e suína.
E destacaram a redução das exportações de carne de frango para a União Europeia, ainda
como reflexo da Operação Carne Fraca. "Estamos muito preocupados com a demora das medidas. Tudo o que não é exportado fica no mercado interno e derrete preços, aniquila a capacidade financeira das empresas e compromete o consumo interno", afirmou o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, que participou na reunião. "O ministro está cheio de boa vontade, mas as dificuldades estão deixando o setor extremamente aflito, nervoso, e algumas empresas estão até pensando em programar férias coletivas para poder superar essa situação", acrescentou.
Maggi reconheceu que há falta de pessoal para atuar na fiscalização e disse que há
expectativa de que os 300 médicos veterinários contratados por concurso público comecem a trabalhar em março. Outros 300 temporários já estão atuando desde o fim de 2017, mas frigoríficos também se queixam de que esses profissionais não têm autoridade para assinar certificados de exportação. Além disso, muitos ainda estão em treinamento.
No início do mês, as catarinenses Aurora e Pamplona enfrentaram dificuldades para
exportar carne suína para os chineses em razão da combinação entre o período de férias de
alguns fiscais e a aposentaria de outros. Em decorrência disso, as empresas sofreram com
acúmulo de carga, como o Valor informou.

Fonte: Valor Econômico

Veja também

As safras e a economia31/01 O sucesso das safras agrícolas e a abundante oferta de alimentos foram determinantes para a baixa taxa de inflação que a economia brasileira registrou em 2017. Ao gerar os principais itens da alimentação humana – grãos, leite, frutas e carnes – em volume suficiente para saciar a população, o setor primário brasileiro criou......

Voltar para Notícias (pt)