NOTÍCIAS

Postado em 16 de Fevereiro às 09h50

Safra catarinense de milho terá redução de 20,4%

  • Mercoagro – Edição 2018 -

Nova estimativa prevê redução de 20,4% na safra catarinense de milho grão. A combinação de estiagem e redução da área plantada trará uma queda na produção e a colheita deve fechar em 2,4 milhões de toneladas em 2018. Os números foram divulgados nesta quinta-feira (15), no Boletim Agropecuário do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa).
Os períodos de estiagem, principalmente em setembro e dezembro de 2017, comprometeram a produtividade das lavouras de milho catarinenses. Se na última safra os produtores colheram em média 8,6 toneladas/hectare, este ano o número deve ficar em 8 toneladas/hectare, uma queda de 7,14%.
A área plantada para o milho grão também será menor este ano, serão 310 mil hectares (14,3% a menos do que na última safra). Os principais concorrentes do milho grão são o milho silagem e a soja, que vêm ganhando cada vez mais espaço no meio rural.
Esses dois fatores fazem com que as projeções para a safra 2017/18 de milho não sejam otimistas.
Com 643 mil toneladas a menos de milho grão, Santa Catarina pensa em alternativas para suprir as cadeias produtivas de carnes. Segundo o secretário da Agricultura e da Pesca, Moacir Sopelsa, uma das opções é criar uma rota para que o milho venha do Paraguai, com preços mais competitivos do que aquele vindo do Centro Oeste brasileiro.
A colheita menor tem impacto direto no setor produtivo de carnes em Santa Catarina. Como maior produtor nacional de suínos e segundo maior produtor de aves, o estado consome em média seis milhões de toneladas de milho todos os anos.
O acompanhamento de safra tem como referência a situação da colheita em fevereiro.
 
PANORAMA REGIONAL:
 
Região Oeste
Nas regiões de Chapecó, Xanxerê e Concordia, até o dia 15 de fevereiro mais de 90% das lavouras se encontram em fase de maturação final e em torno de 10% da área plantada está colhida. Os relatos indicam uma safra normal que, devido as irregularidade das chuvas em alguns períodos (setembro e início de dezembro 2017), não deverá repetir os excelentes resultados da safra anterior.
 
Regiões de Joaçaba, Campos Novos, Curitibanos, Caçador Nestas regiões, em função da ocorrência de período sem chuvas em setembro e na primeira quinzena de dezembro/17, as estimativas são de redução de rendimento entre 10 e 15%.
 
Campos de Lages
As condições normais de umidade do solo sugerem safra com bom rendimento.
 
Região Norte
As lavouras nesta região estão com bom desenvolvimento e deverão apresentar bom potencial produtivo.
 
Alto Vale o Itajaí
Até o momento 45% das lavouras estão colhidas, o rendimento médio é de 7 toneladas por hectare.
 

Fonte: Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca de SC

Veja também

MERCOAGRO mantém o prestígio no mercado de feiras: venda de espaços está acelerada21/01/16 O otimismo que impregna o setor de alimentos cárneos e derivados se reflete na operação de vendas de espaço para expositores da MERCOAGRO 2016, a Feira Internacional de Negócios, Processamento e Industrialização da Carne (MERCOAGRO), que acontecerá de 13 a 16 de setembro no Parque de Exposições Tancredo Neves, em Chapecó (SC), sob......
Chapecó: centro mundial da indústria da carne12/09/16 JOSIAS ANTÔNIO MASCARELLO Presidente da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC) A Associação Comercial e Industrial de Chapecó, aliada aos seus grandes e leais parceiros, entrega à......
Brasil volta a exportar carne bovina para a Arábia Saudita17/02/16 Depois de três anos, as primeiras exportações de carne bovina para a Arábia Saudita ocorrem neste mês de fevereiro. O fim do embargo determinado em 2012 pelos sauditas para importação do produto brasileiro foi......

Voltar para Notícias (pt)