NOTÍCIAS

Postado em 17 de Fevereiro de 2016 às 14h28

Receita com complexo carnes apresenta expansão

Foi observado em janeiro passado crescimento de 14,3% no faturamento, US$ 57,3 milhões, e de 27,6% no volume exportado, 28,3 mil toneladas

No grupo das carnes, que representa 12,6% das exportações do agronegócio mineiro, foi observado em janeiro passado crescimento de 14,3% no faturamento, US$ 57,3 milhões, e de 27,6% no volume exportado, 28,3 mil toneladas. O destaque foi a carne bovina, que encerrou o mês com o faturamento 44,3% superior e somando US$ 28,5 milhões. Ao todo, foram exportadas 7,3 mil toneladas, aumento de 60%. A demanda pela carne de peru também foi alavancada.

Os dados da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) mostram que foram exportadas 1,4 mil toneladas, aumento de 61%. O faturamento, US$ 3,45 milhões, cresceu 81,9%. Apesar do aumento no volume, o faturamento gerado pelos embarques de carne suína e de frango ficou menor. As exportações de carne de frango movimentaram US$ 22,2 milhões, queda de 8,6%. O volume, 17,7 mil toneladas, ficou 16,6% maior. O impacto negativo se deve ao valor da tonelada, que caiu de US$ 1.598 para US$ 1.253, em janeiro de 2016, retração de 21,58%. No caso da carne suína, a retração de 40% no preço da tonelada, US$ 1.631, fez com que o faturamento caísse 29%, encerrando o período em US$ 2,18 milhões.

O volume cresceu 18,5%, com a exportação de 1,3 mil toneladas. Soja ¬ O período de entressafra fez com que os resultados do complexo soja ficassem negativos. Em janeiro foi observada queda de 51,85% no faturamento, US$ 5,3 milhões, e de 74,5% em volume, 6,1 mil toneladas. “No momento a soja está em desenvolvimento no campo, por isso os estoques estão baixos e as exportações em queda. A partir de março, com o início da colheita, a expectativa é de retomada das exportações, principalmente, voltadas para a China”. explica a coordenadora da assessoria técnica da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Aline Veloso. Ao contrário da soja, as exportações de milho estão em alta.

O faturamento cresceu 1.325% e alcançou US$ 11,6 milhões. O volume ficou 1.445% maior, somando 66,5 mil toneladas. Com a demanda mundial aquecida e o produto mais competitivo em função da desvalorização do real frente ao dólar a tendência é que os embarques continuem em alta. Com o dólar elevado, as exportações de produtos lácteos também ficaram maiores. No período, foram embarcadas 1,16 mil toneladas, aumento de 145%. O faturamento chegou a US$ 4,8 milhões, alta de 170,8%.

Fonte: Frigonews com informações do Diário do Comércio

Veja também

Rússia pode voltar a importar carne suína até o fim deste mês08/08/18 O ministro Blairo Maggi, (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) disse nesta terça-feira (07) acreditar que o embargo russo à carne suína brasileira poderá se encerrado até o fim deste mês. “Estive, agora com o presidente Michel Temer, na reunião do BRICs, quando conversamos com o ministro da Agricultura, Dmitri Patrushev, e o presidente Vladimir Putin,......
Nota oficial da ACAV e SINDICARNE23/04/18 A Associação Catarinense de Avicultura (ACAV) e o Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados no Estado de Santa Catarina (SINDICARNE) manifestaram-se, na última sexta-feira (20), sobre o embargo que coíbe 20......
Seara vai vender produtos suínos em portal de e-commerce chinês28/06/18 A Seara, marca da JBS S.A., fechou um contrato para comercializar produtos suínos na plataforma de varejo on-line chinesa JD.com, informou a companhia em comunicado na quarta-feira (27). Os produtos do portfólio de suínos da Seara......

Voltar para Notícias (pt)