NOTÍCIAS

Postado em 01 de Agosto de 2018 às 10h46

Raça Brangus expande no mercado nacional

  • Mercoagro – Edição 2018 -

Um cruzamento das raças Angus e Nelore, o Brangus possui um rebanho no Brasil em constante evolução. Mesmo com as subnotificações devido à falta de registro por parte dos pecuaristas, os pesquisadores apontam o aumento principalmente nas regiões norte e sul do País.
Esse crescimento vem de um trabalho que vem sendo desenvolvido há anos. Os primeiros experimentos para formação do Brangus começaram no ano de 1946, no sul do País. A maior parte do rebanho Brangus registrado ainda está no Rio Grande do Sul, porém, a raça é vista desde o extremo sul até o extremo norte do Brasil.
“A maior parte dos animais Brangus está nos rebanhos de produtores comerciais, que são a grande maioria no País, e somente as cabanhas especializadas em produzir animais com genética superior é que costumam registrá-los nas suas respectivas associações”, detalha o cientista que também preside o Conselho Técnico da ABB, Joal Brazzale Leal. Os pecuaristas que utilizam a raça buscam obter maiores ganhos nas características mais desejáveis pelo mercado e pelos consumidores. Esse crescimento também pode ser percebido pelo fato do Angus ter se tornado a principal raça de corte usada para inseminação artificial no País, predominando ao menos 14 Estados, segundo os dados da Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia).
“Estive no Texas (EUA) e vi que o Brangus vem crescendo muito lá. É uma forma de ter um sangue Angus, que é a melhor raça para carne, em função de maciez, marmoreio, sabor e suculência. Do Paraná para cima, sem ser por intermédio da monta natural, a única forma de termos isso é com o Brangus”, conta vice-presidente da ABB, Carlos Eduardo Ribeiro.
Toda essa expansão também tem ocasionado uma maior receita ao mercado pecuarista. De acordo com Leal, o Brangus gera centenas de milhões de reais. “Por ano, são vendidos cerca de dois mil touros da raça de, em média, R$ 8 mil cada, o que dá R$ 16 milhões. As fêmeas, vendidas a R$ 3 mil por cabeça, são cerca de cinco mil, o que dá R$ 15 milhões. Isso sem mencionar as incontáveis vendas particulares. Há ainda que se adicionar à conta o processo do abate, do qual não se tem controle exato, mas se estima em algumas centenas de milhões de reais”, aponta.
A exportação também cresceu, segundo os dados da Asbia o aumento foi de 98,8% no comparativo entre 2013 e 2014. A produção de sêmen total de Brangus (pelagem preta) aumentou 32,5%, com um total de 99.004, e o Red Brangus (pelagem vermelha) aumentou 166,6%, com total de 61.114 doses produzidas.

Fonte: Gazeta do Povo, adaptado pela equipe feed&food

Veja também

Master vai investir R$ 250 milhões em frigorífico em Mafra12/02/16 Bem localizada no Planalto Norte, Mafra começa a atrair investimentos de peso. A agroindústria Master, de Videira, dona da marca Sulita, vai instalar no município frigorífico para abate de suínos e industrialização de carnes próximo do entroncamento entre as BRs-280 e 116. O investimento projetado é de R$ 250 milhões, serão gerados 835......
Expositores apresentam inovações na Mercoagro 201811/09/18 A Mercoagro 2018 (Feira Internacional de Negócios, Processamento e Industrialização da Carne) reúne fornecedores dos mais diversos setores da indústria mundial da carne que apresentam novas tecnologias na feira. Até......
Volta Sulamérica apresentará produtos para processamento04/05/16 A Volta Sulamérica iniciou as atividades no Brasil em 1996. Inicialmente, comercializava perfis de PU e posteriormente correias planas para a indústria de alimentos, em especial frigoríficos. Ganhou destaque pela qualidade e diversidade......

Voltar para Notícias (pt)