NOTÍCIAS

Postado em 26 de Janeiro de 2018 às 13h44

Pecuária pode reduzir impactos e buscar desenvolvimento sustentável, diz FAO

  • Mercoagro – Edição 2018 -

A atividade pecuária global tem condições de reduzir emissões de gases causadores do
efeito estufa com adoção de práticas já conhecidas e contribuir para o desenvolvimento de
populações pobres rurais, segundo o diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), José Graziano da Silva, em fórum realizado em Berlim na
semana passada.
As emissões de metado pelo setor pecuário poderiam ser reduzidas rapidamente, de 20%
a 30%, com a adoção de práticas já conhecidas como técnicas regenerativas no manejo da
pastagem, seleção do pasto, melhorias na reciclagem dos nutrientes, utilização dos resíduos do gado para a produção de energia, entre outras práticas que colaboram para evitar desmatamento na expansão da atividade, segundo dados FAO apresentados por Graziano.
“Com práticas aprimoradas e climaticamente inteligentes, podemos estabelecer cadeias
de abastecimento mais sustentáveis e ecológicas”, disse Graziano, segundo nota divulgada pela FAO. 
A atividade pecuária é a que mais emite gases de efeito estufa entre as cadeias produtivas de alimentos, respondendo por 14,5% de todas as emissões geradas por atividades humanas, segundo a FAO.
O diretor da FAO chamou a atenção para o “impacto excessivo” da pecuária no clima e
meio ambiente, e para a necessidade de garantir que as populações rurais pobres também
tenham acesso aos benefícios do setor. 
Segundo a FAO, mais da metade das populações pobres em zonas rurais do planeta
dependem da pecuária e a distribuição equitativa dos benefícios da atividade torna-se cada vez mais importante conforme cresce a demanda por carne.
CONSUMO DE CARNE
Brasileiro nascido nos EUA, Graziano disse que o consumo de produtos de origem animal
pode colaborar para melhorar a nutrição principalmente de crianças mais novas, fornecendo micronutrientes cruciais para o desenvolvimento cognitivo e físico, mas alertou que o consumo excessivo traz riscos e que é preciso manter alimentação equilibrada, incluindo outras fontes de proteína.
O diretor da FAO defendeu ainda a suspensão imediata do uso de medicamentos
antimicrobianos para estimular o crescimento animal, sendo que o uso preventivo deve ocorrer apenas em condições muito específicas e restritivas.
Fonte: CarneTec

Veja também

Diretor do ITAL acredita que pequenas empresas podem sobressair na produção da carne20/02/18 Diretor-geral do Instituto de Tecnologia de Alimento (ITAL, Campinas/SP), Luis Madi, acredita que serão as micro e pequenas empresas que virão com força na produção de carne do Brasil. Isso porque nos últimos anos temos visto transformações importantes que exigiram uma evolução da indústria no modo de operar e também no......
Comitiva da ACIC divulga Mercoagro 2018 em feira em Atlanta07/02/17 Uma comitiva da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC) está encerrando uma missão empresarial a Atlanta, nos Estados Unidos, onde visita a Feira Internacional Poultry Expo para divulgar a próxima......

Voltar para Notícias (pt)