NOTÍCIAS

Postado em 01 de Junho às 14h13

Mapeamento do DNA do nelore leva à genoma que gera a qualidade da carne

  • Mercoagro – Edição 2018 -

Alguns avanços em pesquisas científicas conseguiram identificar regiões no genoma que controlam a expressão dos genes relacionados às características que causam uma melhor qualidade da carne na raça nelore. A partir deste estudo será possível realizar melhoramentos com mais precisão, no intuito de obter animais com desempenho zootécnico aprimorado.
Segundo a pesquisadora da Embrapa Pecuária Sudeste (São Carlos/SP), Luciana Regitano, a pesquisa conseguiu juntar a informação dos marcadores de DNA com a informação da quantidade de RNA de cada gene no músculo do animal. A conexão, de acordo com a especialista, permitiu elaborar o mapa do genoma da raça.
O estudo é considerado complexo, pois nem sempre estas características são visíveis no DNA. Aspectos ligados à qualidade da carne, como maciez e quantidade de gordura subcutânea, por exemplo, só estarão expressos se, em determinado momento, o DNA conseguir transmitir essa informação para que ela se torne “visível” no bovino.
Os cientistas estão investindo na conexão de informações de diferentes origens para tentar descobrir esse mecanismo de transmissão. A grande lacuna são os fatores de regulação da expressão. “Quando foram inspecionadas as regiões do genoma que regulam os fenótipos (que mais contribuem para a maciez da carne, para a quantidade de gordura subcutânea, para a eficiência alimentar ou outras características visíveis), descobriu-se que não existem genes dentro delas”, explica Regitano.
A pesquisa busca mapear essas regiões, e é por isso que há uma importância tão grande na variação do fenótipo: para saber se o animal é mais ou menos produtivo. Em longo prazo a população será favorecida, pois terá acesso a uma carne mais macia e mais saudável, e os pecuaristas terão seus custos de produção reduzidos por meio da melhora na eficiência alimentar dos animais.

“O genoma começa a ser explorado e deixa de ser uma caixa-preta. O grupo agora tem condições de apontar a região específica do cromossomo que explica a diferença entre os animais”, afirma Regitano.
Fonte: Embrapa, adaptado pela equipe feed&food

Veja também

Embalagens case-ready ajudam varejistas a se tornarem mais competitivos25/10/17 Nos últimos anos, vem sendo registrada uma crescente queda no consumo de carne bovina em todo o mundo, seja pelos altos preços ou pela preocupação com uma alimentação mais saudável. Ainda assim, a carne bovina continua sendo extremamente importante para os varejistas. De acordo com o estudo “Global Food Retailer Beef Insights”*, solicitado pela......
Mercoshow oportuniza produtos e serviços inovadores14/09/16 Desenvolvimento do comércio internacional, novas tecnologias de conservação de produtos, como minimizar os impactos ambientais, proteção das mãos e energias renováveis foram temas abordados nas palestras da......
Carne de frango: posicionamento dos grandes exportadores mundiais em 202525/02/16 Ao lançar, na semana passada, suas projeções sobre as tendências da agropecuária norte-americana até 2025, o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) divulgou também os resultados de estudos sobre as......

Voltar para Notícias (pt)