NOTÍCIAS

Postado em 16 de Fevereiro de 2016 às 16h21

Indústria de carnes busca demanda nobre no País e exterior

Em paralelo ao avanço obtido na abertura de mercados para exportação da carne enquanto commodity, o setor de bovinos trabalha para emplacar cortes mais nobres tanto para consumo interno quanto nas vendas internacionais

No Brasil, a ideia é aproveitar o movimento de expansão da culinária gourmet para descobrir novos usos para os cortes e explorar carnes de maior valor agregado, visto que a proteína bovina convencional tem perdido espaço para outras de custo inferior como o frango.

Existe um movimento interessante de açougues de luxo, hamburguerias, saímos um pouco do rodízio. São tendências que estão surgindo, cortes que ninguém percebia que poderiam ser aproveitados , conta ao DCI o diretor executivo da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Fernando Sampaio, durante evento de lançamento da Semana da Carne , na Sociedade Rural Brasileira (SRB). Em seu pronunciamento, o representante do setor defendeu a aproximação da indústria com o consumidor, para que haja um efeito reverso na cadeia.

Segundo Sampaio, esta já é uma estratégia comum em outros países. Uma vez descobertos estes novos usos para a carne, o próximo passo é levá-los ao mercado internacional, ou seja, o Brasil tem condições de ditar tendências dos cortes bovinos e exportá-los, assim como Paris dita a moda , compara.

Este processo foi iniciado em ações para promoção do gado angus na União Europeia. A Alemanha foi um dos países que receberam o chamado Angus day . Países árabes e até mesmo a China figuram no radar deste nicho.

Árabes em potencial

Visando ampliar sua presença no mercado árabe, a Abiec programa uma série de ações para fevereiro, nos Emirados Árabes Unidos (EAU) e na Arábia Saudita, como presença em feira (Gulfood, em Dubai) e churrascos em Dubai e em Riad para degustação do produto nacional.

Em 2015, as exportações de carne bovina convencional brasileira para os países árabes atingiram faturamento de US$ 1,4 bilhão - 24% do total exportado no ano. Já a Arábia Saudita, que recentemente suspendeu embargo à carne bovina brasileira, traz a possibilidade para o Brasil de exportar 40 mil toneladas.

Fonte: Portal do Agronegócio

Veja também

Comitê Científico da OIE aceita pedido para declarar o país livre da aftosa com vacinação21/02/18 O Comitê Científico da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) recomendou que o Brasil seja reconhecido como livre da febre aftosa com vacinação aos 180 países integrantes da OIE. Com isso, 25 estados e o Distrito Federal tendem a ser declarados livres da aftosa com vacinação pelo organismo internacional. Santa Catarina é......
IITA destacará novidades para identificação e automação29/04/16 Especializada na fabricação de fitas para impressão por transferência térmica (ribbons), a IITA Indústria de Impressoras Tecnológicas da Amazônia levará para a Mercoagro 2016 toda a variedade de......
Empresas alimentícias criam Coalizão Global para o bem-estar animal09/08/18 Sete empresas multinacionais de alimentos uniram forças para criar a Coalizão Global para o Bem-Estar Animal (GCAW) para avançar os padrões na cadeia de abastecimento alimentar. Os sete incluem Unilever, Nestlé, Aramark,......

Voltar para Notícias (pt)