NOTÍCIAS

Postado em 26 de Fevereiro de 2018 às 11h26

Empresas brasileiras avançam em relação ao bem-estar animal

  • Mercoagro – Edição 2018 -

Divulgado na última quinta-feira (22/02), o sexto relatório Business Benchmark on Farm
Animal Welfare 2017 (BBFAW) classificou 110 empresas mundiais de alimentos em padrões de bem-estar de animais de fazenda. O ranking do BBFAW é publicado anualmente pela Proteção Animal Mundial e nossos parceiros da Compassion in World Farming, desde 2012. 
Avaliadas do nível 1 (melhor) ao 6 (pior), o material indica bom desempenho das empresas
brasileiras BRF (nível 2), JBS (nível 2) e Marfrig (nível 3) que iniciaram projetos voltados ao bem-estar dos animais de fazenda em seus processos de negócios.
Segundo informações da World Animal Protection, a conquista do Brasil pode ser atribuída
também ao fato dessas empresas serem grandes exportadoras para os EUA e Europa – locais onde é necessário garantir o bem-estar animal.


REDES DE FAST-FOOD
No setor de fast-food, nenhuma empresa atingiu o nível 1. Segundo o relatório, o
McDonald´s lidera o ranking com o nível 2. A rede tem uma política universal de saúde e bem-estar animal e assumiu importantes compromissos, como o uso de ovos de galinhas sem gaiola no Reino Unido, Europa e Nova Zelândia e a eliminação de gaiolas de gestação para porcas nos EUA e Reino Unido. Todavia, o relatório sugere que o bem-estar de frangos servidos em restaurantes ao redor do mundo, ainda é polêmico. "O McDonald´s, além da falta de processos com a genética, ainda não se compromete a oferecer espaço suficiente para esses animais viverem de forma saudável", diz a publicação.
Pizza Hut e Starbucks, redes estrangeiras e também bastante populares no Brasil, encontram-se no posto 5. "Para essas empresas, o bem-estar dos animais de fazenda está na agenda de negócios, mas há evidências limitadas de implementação", explica em nota a organição. 

Fonte: Avicultura Industrial

Veja também

Embarques de carne in natura para EUA iniciam em cerca de 90 dias08/08/16 As exportações de carne bovina in natura para os Estados Unidos devem iniciar em cerca de 90 dias, após finalização dos trâmites administrativos realizados pelas autoridades dos Ministérios da Agricultura e Pecuária do Brasil e do país norte-americano. As negociações entre os dois países para carne fresca e congelada ocorrem há......
21 milhões de suínos são monitorados ao mês20/10/17 Líder mundial no fornecimento de análises e relatórios estatísticos sobre custos de produção para a agroindústria, a Agri Stats alcançou, no mês de outubro, o número de 21 milhões de......

Voltar para Notícias (pt)