NOTÍCIAS

Postado em 24 de Maio às 14h27

Embrapa valida técnica que inativa vírus na cama de frango reutilizada

  • Mercoagro – Edição 2018 -

Reutilizar cama de frango ficou mais seguro. Pesquisadores daEmbrapa Suínos e Aves (SC) validaram uma técnica que previne a disseminação de doenças aviárias causadas por vírus na cama de frango. O procedimento, chamado de fermentação plana, mostrou-se eficiente
na inativação de microrganismos.
O processo, que consiste na umidificação do material e cobertura com lona impermeável para impedir a troca de gases com o ambiente, é um método de tratamento genuinamente
nacional. “Ele foi inventado por avicultores brasileiros e ainda é pouco conhecido em outros
países”, define a pesquisadora Clarissa Vaz.
Ela comprovou o efeito da fermentação plana sobre o vírus da Doença de Gumboro (VDIB)
na cama de aviário reutilizada. “Os experimentos demonstraram que o método é efetivo sobre o vírus da Doença de Gumboro, um modelo viral altamente resistente ao ambiente. A estratégia também pode ser recomendada para inativar vírus aviários residuais com características de resistência equivalentes”, destaca Clarissa.
Estudos anteriores realizados pela pesquisadora Virgínia Santiago Silva, da Embrapa Suínos e Aves, em parceria com a Associação Brasileira de Proteína Animal, já haviam comprovado a eficiência do método no tratamento contraSalmonella Enteritidis e enterobactérias.
O estudo é usado como referência pelo serviço veterinário oficial e agroindústrias avícolas.
Desta vez, a confirmação científica do efeito do procedimento sobre os vírus aviários é importante para auxiliar nas orientações aos produtores e na fiscalização pelo Ministério da
Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).
Atualmente, questionamentos acerca do risco sanitário associado ao reuso da cama aviária
entre lotes são frequentemente levantados no âmbito internacional. Novas normas técnicas e barreiras comerciais internacionais vêm exigindo comprovar a inativação de vírus aviários.
Clarissa explica: “Isso tem sido um gargalo para a fiscalização dos procedimentos pelo serviço veterinário oficial em todos os estados, afetando diretamente as garantias de sanidade avícola.
Também tem sido uma não conformidade detectada pelas missões internacionais oficiais enviadas pelos países importadores de carne de aves”.
O PROCEDIMENTO
A fermentação plana consiste na umidificação do material, após a retirada do lote de aves,
e cobertura com lona impermeável para impedir a troca de gases com o ambiente durante 12 dias.
A lona é retirada e a cama fica em repouso por mais dois dias, tempo necessário para dissipar a amônia e reduzir a umidade. Depois desse período, o material já está apto a receber o próximo lote, afirma a pesquisadora Clarissa Vaz.
“A pesquisa usou um indicador viral, devido às restrições na experimentação com vírus da
DNC e IA, para avaliar a segurança da cama de frango tratada para reuso entre lotes”, explica. Foi usada cama aviária procedente de aviário comercial, que havia sido reutilizada por seis lotes de frangos de corte que não apresentaram problemas sanitários, sendo negativa para VDIB. A cama foi distribuída em 16 boxes experimentais.
As aves do experimento eram oriundas da granja SPF (specif pathogen free) da Embrapa,
livres de microrganismos causadores de doenças. Também foram seguidos todos os
procedimentos e princípios de ética e bem-estar animal aprovados em protocolo da Comissão de Ética no Uso de Animais da Embrapa Suínos e Aves.
A contaminação viral foi obtida usando pintinhos inoculados com VDIB e alojados sobre as
camas aviárias em instalações experimentais. Depois de seis dias, os pintinhos foram retirados.
Em seguida, iniciou-se a fase de tratamentos experimentais. Foram testados procedimentos de fermentação plana, de adição de cal, fermentação plana com adição de cal, controle negativo e controle positivo. Em um segundo momento, novas aves SPF foram alojadas nas camas já tratadas, para comprovar a efetividade dos tratamentos feitos.
DOENÇA DE GUMBORO É COMBATIDA COM VACINAÇÃO
ADoença de Gumboro (VDIB) ou Doença Infecciosa da Bursa é uma enfermidade das aves
causada por vírus, sendo muito frequente na avicultura e prevenida por meio de vacinação
rotineira dos lotes. O vírus é muito resistente ao ambiente, por isso pode ser usado como modelo viral. Sua sobrevivência na cama de aviário é um indicador do efeito do tratamento sobre outros vírus aviários com característica de resistência similares ou inferiores. A Doença de Gumboro causa perdas produtivas importantes na avicultura. No estudo da Embrapa Suínos e Aves o vírus foi usado apenas como indicador viral, já que a doença é prevenida rotineiramente por vacinação.
CIÊNCIA SUBSIDIA SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO
O resultado embasa cientificamente o Serviço Veterinário Oficial na auditoria dos
procedimentos exigidos para certificação dos compartimentos avícolas, que exigem que o método usado para tratamento seja efetivo contra os vírus da DNC e IA. Além disso, auxilia na tomada de decisão quanto ao procedimento para reuso rotineiro da cama entre lotes de frangos, e também para seu descarte seguro nos casos de problemas sanitários. “Isso ntribui para a manutenção do status do plantel avícola e da competitividade da avicultura de corte frente aos demais países produtores”, afirma a pesquisadora Clarissa Vaz, informando que no mês de abril foi feita, em Santa Catarina, a primeira certificação de compartimento avícola de frangos.
A intenção agora é que os estudos realizados sejam efetivamente adotados como  referência para a fiscalização do processo. “A avicultura brasileira está constantemente ameaçada por enfermidades e isso causa impacto na produção e exportação. Por isso, a importância e a urgência de trabalharmos com a prevenção”, enfatiza o fiscal federal agropecuário e coordenador do Programa Nacional de Sanidade Avícola do Mapa, Bruno Rebelo Pessamilio.
De acordo com ele, pesquisas que identifiquem o que deve ser feito a fim de garantir a
sanidade do plantel avícola são essenciais para manter o Brasil entre os maiores produtores e exportadores de carne de frango do mundo. “O manejo correto da cama aviária é fundamental para prevenir a disseminação de doenças. Quanto menor é a adoção de práticas de biosseguridade nas granjas, maiores são os riscos sanitários e mais rígidos se tornam os controles, as restrições e a vigilância epidemiológica.”
SUSTENTABILIDADE NA PRODUÇÃO
A grande vantagem da reutilização da cama entre lotes de frangos é a sustentabilidade da
produção, tanto pelo aspecto econômico (custo de aquisição de cama aviária a cada novo lote), quanto ambiental (necessidade de áreas plantadas com eucalipto para abastecer a produção – no caso da cama de maravalha, e descarte da cama ao final do lote). Regiões com densa produção de frangos apresentam dificuldade em absorver esse resíduo da produção. A desvantagem é que se o manejo não for adequado, os frangos podem apresentar problemas como calos de pé e de peito e lesões decorrentes de níveis excessivos de amônia.
O tratamento da cama no intervalo entre lotes é processo fundamental para prevenir a
disseminação das doenças. Há várias possibilidades de tratamentos da cama de frango conforme seu princípio: fermentativos, acidificantes, alcalinizantes e redutores de umidade. Geralmente o manejo preventivo de insetos e larvas é também integrado a esses procedimentos.
“Em termos de defesa sanitária avícola, o reuso da cama aviária nos estabelecimentos de
frangos de corte é previsto, desde que episódios de maior impacto ao plantel avícola e de
interesse para a saúde pública estejam ausentes nos lotes. Essa medida visa assegurar a
manutenção do status sanitário do plantel avícola nacional”, completa Clarissa.

Fonte: Embrapa Suínos e Aves
Crédito da foto: Jairo Backes

Veja também

Seminário da Carne na Mercoagro Indústria 4.0: tendência é a customização de produtos12/09 “A produção de alimentos na era da indústria da carne 4.0” foi o tema da terceira palestra do 12º Seminário Internacional de Industrialização da Carne, com o diretor regional do SENAI de Santa Catarina, consultor Unesco para o grupo de trabalho sobre a manufatura avançada e professor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA)......
Produção mundial de ração cresce 2,5% em um ano28/02 A produção de rações atingiu um total de 1,07 bilhão de toneladas produzidas em 2017. O dado é da Alltech Global Feed Survey de 2018. Segundo a pesquisa, o crescimento observado foi de 2,57% em relação......

Voltar para Notícias (pt)