NOTÍCIAS

Postado em 25 de Outubro de 2017 às 14h29

Embalagens case-ready ajudam varejistas a se tornarem mais competitivos

Mercado (38)

    Nos últimos anos, vem sendo registrada uma crescente queda no consumo de carne
    bovina em todo o mundo, seja pelos altos preços ou pela preocupação com uma alimentação
    mais saudável. Ainda assim, a carne bovina continua sendo extremamente importante para os
    varejistas. De acordo com o estudo “Global Food Retailer Beef Insights”*, solicitado pela Sealed
    Air e realizado pelo Martec Group, a carne bovina é responsável por uma média de 30% a 50%
    do faturamento do setor de carnes e de 2% a 5% do total da receita da loja. Na Austrália e no
    Brasil, é a proteína mais vendida nos supermercados.
    Para se manterem competitivos, os varejistas precisam tomar decisões estratégicas que
    atendam tanto à necessidade de redução de custos quanto à entrega de produtos seguros e de
    qualidade, capazes de conquistar a atenção e preferência dos consumidores. Soluções de
    embalagens inovadoras podem ser ótimas aliadas para ajudar os varejistas a atenderem às
    necessidades dos seus clientes.
    As embalagens do tipo case-ready, que já chegam prontas do frigorífico para serem
    colocadas diretamente nas gôndolas do varejo, são soluções ideais que satisfazem tanto as
    demandas dos varejistas como as vontades dos consumidores. O produto, que pode ser
    embalado no sistema de vácuo ou com atmosfera de proteção, já vem porcionado e
    padronizado, possui data de validade estendida e garantia de origem. A carne não necessita de
    manipulação adicional, o que reduz o risco de contaminação cruzada, os custos com mão de
    obra e, consequentemente, gera aumento da receita.
    De acordo com a pesquisa, no Reino Unido, 90% dos supermercadistas já adotaram as
    embalagens case-ready e apenas 10% ainda mantém o porcionamento em loja. Na Austrália,
    essa tendência se confirma: representam entre 70% e 80% do mercado, enquanto os açougues
    nas lojas de varejo apenas 20% a 30%.
    Já nos Estados Unidos, esta adequação está em fase de transição. Pelo menos 40% a
    50% das lojas ainda oferecem o atendimento no balcão, enquanto 50% a 60% já aderiram às
    embalagens que saem do frigorífico direto para a gôndola. No Brasil, essa prática ainda é
    incipiente, mas está ganhando força. As embalagens case-ready representam apenas de 20% a
    30% do mercado, enquanto os açougues dentro das lojas ainda se destacam com uma
    representação de 70% a 80%.
    Essa é uma tendência mundial. E para que os varejistas se mantenham no setor de forma
    competitiva é importante que se preparem. Prova disso é que enquanto as case-ready têm
    ganho espaço, os açougues dentro das lojas estão retraindo. Segundo o estudo, além da
    eficiência e todos os benefícios da solução, a procura por carnes embaladas e falta de mão de
    obra qualificada para manter o atendimento no balcão têm impulsionado a mudança do serviço.

    *O estudo Global Food Retailer Beef Insights ouviu os principais supermercadistas nos Estados
    Unidos, Reino Unido, Austrália e Brasil, em 2016.
    Autora: Alessandra Souza é líder de marketing para carne vermelha na América Latina da
    Sealed Air Food Care

    Fonte: CarneTec

    Veja também

    México amplia importação de frango e visita novos frigoríficos30/08 O Brasil deverá ampliar a  exportação de carne de frango  e seus subprodutos para o México. Está no país uma missão de nove veterinários daquele país, para auditoria em 25 plantas frigoríficas com inspeção federal, segundo informações do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal......
    Montemil apresentará mix de produtos na Mercoagro 201612/07/16 Com atuação em todas as regiões do Brasil, América Latina e Europa, a Montemil Industrial é uma das maiores e mais completas empresas do segmento na fabricação de equipamentos para a indústria......
    Brasil no centro da demanda mundial de alimentos03/08 Projeções do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos sobre o aumento da produção de alimentos até 2027, colocam o Brasil na liderança, com uma expansão esperada de 69% para a agropecuária......

    Voltar para Notícias (pt)