NOTÍCIAS

Postado em 04 de Julho às 16h05

Consumo por habitante estagnará em escala mundial

  • Mercoagro – Edição 2018 -

O relatório "Perspectivas Agrícolas 2018-2027", da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e da Agência da ONU para a Agricultura e Alimentação (FAO), indica que os preços de produtos agrícolas deverão continuar baixos no mercado internacional, sobretudo em um cenário de estoques elevados como o atual, o que torna uma retomada improvável nos próximos anos.
A produção aumentou fortemente em todas as categorias, atingindo em 2017 cifras recordes nos casos de cereais, carnes e produtos lácteos, enquanto os estoques se mantiveram em níveis jamais vistos. Paralelamente, o crescimento da demanda começou a diminuir.
Sustentada nos últimos dez anos pela alta de renda na China, que estimulou o consumo de carnes, peixes e alimentos para animais, a demanda está em desaceleração atualmente, num cenário em que não se identifica nenhuma outra fonte de crescimento para compensar a situação chinesa.
Como consequência, os preços reais da maioria dos produtos agrícolas deverão baixar nos próximos dez anos, e a desaceleração da demanda deverá persistir ao longo dos próximos anos.
O consumo por habitante de vários produtos deverá estagnar em escala mundial, sobretudo os de alimentos como cereais, raízes e tubérculos, cujos níveis de consumo estão próximos da saturação em vários países.
No contexto geral de desaceleração da demanda por habitante, o açúcar e o óleo vegetal são exceções. Serão consumidos ainda mais nos países em desenvolvimento, onde a urbanização leva a uma demanda maior de alimentos processados.
A produção agrícola total, por sua vez, deverá crescer cerca de 20% nos próximos dez anos, segundo o relatório da OCDE e da FAO, com diferenças regionais consideráveis. O aumento mais forte da produção será na África subsaariana, na Ásia, no Oriente Médio e na Africa do Norte.
Já o comércio internacional deverá crescer em um ritmo 50% menor do que nos últimos dez anos. E as exportações líquidas vão aumentar principalmente a partir das Américas.
E O BRASIL NO MERCADO?
O relatório destacou que o País continuará a ter papel central nas exportações agrícolas globalmente nos próximos 10 anos. A expansão da área cultivada com cana provocará uma alta na produção de açúcar, de 1,9% por ano e contribuindo com 1,8% do crescimento anual do setor nas Américas.
O Brasil continuará também a ser um dos maiores produtores mundiais de etanol. A expectativa é de alta de 1,5% nos próximos dez anos. Mas a fatia brasileira na produção mundial de etanol deverá diminuir de 90% para 88% em razão do avanço rápido da produção na Ásia, principalmente na China.
A OCDE e FAO apontam ainda que a produção mundial de soja continuará dominada por EUA e Brasil. Igualmente, os dois países continuarão sendo os principais produtores mundiais de carnes, com aumento de seus rebanhos entre 2018 e 2027. A previsão é de alta de 17% na produção de bovinos e suínos, de 16% para frangos e de 9% para ovelhas.

Fonte: Valor Econômico, adaptado pela equipe feed&food
Foto: Reprodução

Veja também

No acumulado do ano, exportações de carne suína crescem 42,2%31/08/16 De janeiro a julho deste ano, as exportações brasileiras de carne suína totalizaram 413,3 mil toneladas, aumento de 42,2% sobre o resultado obtido em igual período de 2015. As informações foram divulgadas pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). Em relação ao mês de julho, houve queda de 3,6% no total embarcado,......
Inicia a maior feira da indústria da carne da América Latina14/09/16 A Mercoagro 2016 segue até sexta-feira (16), das 14 às 21 horas, no Parque de Exposições Tancredo Neves, em Chapecó (SC) Abriu nesta terça-feira (13), no Parque de Exposições Tancredo Neves, em......

Voltar para Notícias (pt)