NOTÍCIAS

Postado em 14 de Fevereiro de 2018 às 16h55

Consumidor brasileiro está mais interessado na carne orgânica, diz Korin

  • Mercoagro – Edição 2018 -

A Korin Agropecuária, uma das principais produtoras de alimentos orgânicos no país, vê
aumento da demanda no Brasil por carne bovina orgânica, segundo o gerente comercial de
bovinos e processados, Luiz Vicente Greco.
“O consumidor está despertando para a carne orgânica e percebemos que o consumo vem aumentando, gradativamente”, disse Greco à CarneTec no início do mês.
“O episódio da carne fraca contribuiu bastante para isso, pois os consumidores passaram
a procurar outras alternativas e a pesquisar sobre opções mais saudáveis.” 
A Korin Agropecuária vende carne bovina orgânica desde abril de 2016 e carne bovina sustentável desde outubro de 2014.
“A diferença de preços entre as duas linhas não é tão expressiva e o orgânico tem todo
um apelo de ter uma certificação [atestando ser orgânico], de ser um produto bem definido
segundo suas características. Por isso, quando o varejista tem pouco espaço em sua área de venda, ele acaba optando por, ao invés de ter as duas linhas, ter somente o orgânico”, disse Greco.
A carne bovina sustentável é originária de gado criado solto com alimentação nas pastagens nativas da região do Pantanal de Mato Grosso do Sul e não tem o selo de orgânica porque o gado não recebe alimentação orgânica na fase final de confinamento, necessária para recuperação do peso perdido durante a viagem do Pantanal até o local de abate.
No caso da carne bovina orgânica, a complementação da alimentação nos meses finais
de engorda é feita com grãos orgânicos.
Atualmente, a Korin vende sua carne orgânica em oito lojas da marca em São Paulo, Rio
de Janeiro e Brasília. “Além disso, estamos adentrando o varejo brasileiro, com destaque para as redes Mambo, Casa Santa Luzia, Rede San Marche e Supermercados Zaffari”, disse Greco.

Fonte e foto: CarneTec

Veja também

Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com dietas com adição de ß-glucanos e prebióticos02/04/18 O período pós-desmame se enquadra como o mais crítico na produção de suínos, uma vez que impõe diversos desafios aos animais, de ordens nutricionais, fisiológicas e ambientais, os quais podem resultar em distúrbios gastrintestinais, com aumento na incidência de diarreia e, consequentemente, queda nos índices produtivos. A imaturidade......

Voltar para Notícias (pt)