NOTÍCIAS

Postado em 09 de Maio de 2018 às 13h26

Comitê reúne indústria e produtor para acompanhar crise do mercado das carnes

  • Mercoagro – Edição 2018 -

Em uma iniciativa pioneira no País, as duas principais entidades nacionais do agronegócio - Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e Associação Brasileira da Proteína Animal (ABPA) – decidiram hoje, em Chapecó, constituir um Comitê de Gestão de Crise para acompanhar e propor soluções para os sérios problemas criados no mercado internacional às carnes de aves e suínos do País.
A preocupação do Comitê é assegurar a sustentabilidade da vasta cadeia produtiva de carnes, o emprego dos trabalhadores nas indústrias e a viabilidade dos produtores rurais integrados. Por isso, a pauta prioritária já está estabelecida e tratará de quatro temas: a imagem dos produtos cárneos brasileiros no exterior; a flexibilização dos financiamentos pelos Bancos oficiais e privados; o suprimento de milho e a comunicação social. Na próxima terça-feira (15) o comitê já estará reunido para colocar em marcha as primeiras medidas.
“Precisamos estabelecer um pacto do tipo ganha-ganha entre produtor e indústria para que todos sejam adequadamente remunerados e para que, em situação de crise, todos suportem de modo proporcional às dificuldades”, disse o presidente da CNA João Martins da Silva Júnior.
O diretor da ABPA Ariel Mendes observou que é necessário reagir de forma articulada para evitar a perda de mercados duramente conquistados pelo Brasil. Europa e Ásia são os primeiros continentes que serão alvos de ações de recuperação de mercado.

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Santa Catarina (Faesc) José Zeferino Pedrozo defende uma atuação mais agressiva da diplomacia brasileira em defesa dos produtos nos grandes mercados mundiais.
A motivação para a criação do Comitê é o fato das companhias avícolas e de suínos enfrentarem dificuldades desde agosto do ano passado. O quadro agravou-se no último bimestre de 2017, quando várias empresas foram desabilitadas a exportar para a Europa. No mesmo período, a Rússia, que representava um grande comprador de produtos cárneos, suspendeu as importações. Nesse momento não há previsão de retomada desses mercados.

Simultaneamente, o suprimento do milho – principal insumo da cadeia – apresenta distorções causadas pela retenção dos estoques, pelos grandes cerealistas, para fins especulativos, o que eleva seu custo e encarece a produção de aves e suínos. O rebanho permanentemente alojado no Brasil é de quase 520 milhões de aves, o que exige volumes colossais do grão para sua manutenção.

O diretor executivo da Associação Catarinense de Avicultura (ACAV) e do Sindicato das Indústrias da Carne (Sindicarne) Ricardo de Gouvêa lembra que o frango vive seu pior cenário por duas causas não-mercadológicas: o consumo reduzido em face da perda de mercados e custo de produção elevado em face da baixa oferta do milho, matéria-prima abundante, mas estocada. Grande parte da produção destinada à exportação acabou permanecendo no mercado doméstico, criando expectativa de super oferta, enquanto a capacidade de armazenagem à frio, própria e de terceiros, está se esgotando.
LIDERANÇAS
Participaram da criação do Comitê o presidente da CNA João Martins, o diretor da ABPA Ariel Mendes, o presidente e o vice da Faesc José Zeferino Pedrozo e Enori Barbieri, o diretor de agropecuária da Aurora Alimentos Marcos Antônio Zordan, o gerente da BRF Hugo Urso, o diretor executivo do Sindicarne/Acav Ricardo de Gouvêa, os superintendentes da CNA Bruno Barcelos Lucchi (técnico) e Lígia Dutra (relações internacionais).

Fonte: MB Comunicação

Veja também

Região Sul é líder no controle de tuberculose15/08/18 A região Sul do Brasil é líder no controle de tuberculose no país. Entre 2012 e 2017, Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina sanearam 1.104, 1.519 e 769 focos, respectivamente. Os casos são resultado de uma ação rigorosa que inclui uma média anual de  240 mil testes no Rio Grande do Sul, 828 mil no Paraná e 165 mil em Santa Catarina.......
Brasil negocia com Peru início de comércio de carne suína20/04/18 O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, anunciou em entrevista em Campo Mourão (PR) na sede da cooperativa Coamo, ter recebido comunicado de que o Peru abriu seu mercado para a carne suína brasileira.......

Voltar para Notícias (pt)