NOTÍCIAS

Postado em 30 de Outubro de 2017 às 17h08

Brasil pode suprir cota argentina de carne à UE, apesar de só o RS possuir gado padrão europeu; Mercosul quer oferta maior

Agroindústria (26)Mercado (38)Notícias (46)

O vice-presidente da Farsul, Gedeão Pereira, estará presente na reunião que vai abordar
sobre as exportações de carne bovina do Mercosul para a Europa. Um dos temas que será tratado
no encontro é uma abertura de mercado mais ampla, em que a União Europeia (UE) ofertará
cerca de 70 mil toneladas, considerada muito baixa. O bloco pede mais de 300 mil toneladas de
aumento, o que representa 5% do consumo da EU.
Entre as exigências proposta pela União Europeia está a exportação de carne Gourmet.
Segundo Gedeão Pereira, é importante o Mercosul estar presente no mercado europeu, pois os
cortes nobres são destinados à Europa.  
O Brasil está entre os maiores players do mercado bovino. A Argentina ficou reconhecida
com a carne de qualidade, porém ainda não consegue cumprir as cotas. O Brasil conseguiria
suprir o vácuo argentino, mesmo com só o Rio Grande do Sul possuindo gado de origem inglesa,
contando com a carne oriunda dos cruzamentos industriais.
Atualmente, os países que conseguem cumprir as cotas são Brasil, Uruguai e o Paraguai,
que exige cada vez mais uma presença majoritária nos mercados internacionais. Entre as cotas do
Mercosul que se destacam são 42% que se destina ao Brasil, 25% destinada à Argentina, 15%
destinado ao Uruguai e 7% ao Paraguai.
Os países do Mercosul que possuem  as cotas 481 são o Uruguai e Argentina. O Paraguai
e o Brasil ainda não tem, porém o  Brasil pretende ter em breve. As cotas mais remuneradas são a
481 e a Hilton, que entre as exigências são a rastreabilidade, na qual o Brasil precisa melhorar.
No Brasil, a referência em produção de carne gourmet é o estado de São Paulo, tem
também alguns nichos como o Rio de Janeiro e o Rio Grande do Sul. De acordo com Gedeão
Pereira, a importância da reunião é ampliar as cotas de exportação de carne bovina para o
Mercosul.
 
Fonte: Giovanni Lorenzon e Andressa Simão / Notícias Agrícolas

Veja também

Brasil deve ser reconhecido país livre da pleuropneumonia bovina pela OIE17/05/17 O Brasil deverá ser reconhecido como país livre da pleuropneumonia contagiosa bovina (CBPP na sigla em inglês), na reunião da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), que será realizada na próxima semana, entre os dias 21 e 26 , em Paris. Segundo o diretor do Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e......
Empresas brasileiras avançam em relação ao bem-estar animal26/02 Divulgado na última quinta-feira (22/02), o sexto relatório Business Benchmark on Farm Animal Welfare 2017 (BBFAW) classificou 110 empresas mundiais de alimentos em padrões de bem-estar de animais de fazenda. O ranking do BBFAW......

Voltar para Notícias (pt)