NOTÍCIAS

Postado em 18 de Julho de 2018 às 13h32

Alimentos: Merck investe em carne produzida com cultura de células

  • Mercoagro – Edição 2018 -

A companhia farmacêutica alemã Merck e a processadora suíça de carnes Bell Food Group
investiram US$ 8,8 milhões na holandesa Mosa Meat, uma startup que pretende produzir carne a partir de culturas de células animais. Empresas como a Mosa Meat ainda não começaram a vender seus produtos, mas a tecnologia já atraiu investimentos de companhias como Cargill e Tyson Foods.
A Mosa Meat é comandada por Mark Post, um fisiologista da Universidade de Maastricht que apresentou o primeiro hambúrguer de laboratório em 2013, e Peter Verstrate, um técnico de alimentos na universidade. O protótipo teve um custo de desenvolvimento de US$ 330 mil, mas o projeto incentivou Post a criar a companhia, que já recebeu investimento do cofundador do Google Sergey Brin.
Fabricantes iniciam o processo isolando células de bovinos, suínos ou frangos que têm a capacidade de se regenerar. Essas células são depois colocadas em grandes tanques biorreatores e recebem oxigênio e nutrientes como açúcar e minerais, e podem se transformar em tecido muscular esquelético depois de algumas semanas. A Administração de Alimentos e Medicamentos e o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos ainda estão discutindo como será a supervisão regulatória dessa tecnologia. A carne feita com culturas de células vem gerando polêmica nos EUA, onde grupos de pecuaristas querem que as palavras “carne” e “carne bovina” sejam usadas apenas para se referir ao produt cortado de animais.

Alguns defensores da tecnologia acreditam que ela vai substituir uma parte significativa da indústria tradicional de carnes ao longo do tempo. Frigoríficos dizem que esta é uma forma suplementar de oferecer carne bovina, suína e de frango a uma população mundial cada vez maior.

A Mosa Meat está pesquisando locais para construir uma unidade piloto de produção, disse Post, acrescentando que pretende fornecer seus produtos para restaurantes na Europa em 2021, pelo preço de aproximadamente US$ 10 por hambúrguer.

Fonte: Dow Jones Newswires / Dinheiro Rural
Foto: Divulgação

Veja também

Rabobank espera alta de 20% na exportação de carne suína do Brasil pra China em 201831/01/18 As vendas de carne suína brasileira para a China podem crescer 20% em 2018, diante do aumento da oferta e competitividade do produto brasileiro, estimam analistas do Rabobank em relatório divulgado na terça-feira (30). As importações totais de carne suína pela China tendem a aumentar cerca de 6% em 2018, após queda significativa em 2017, quando o país......
MAGGI CONFIRMA RETIRADA DA SAPONINA DA VACINA CONTRA AFTOSA22/08/17 Dose também será diminuída, passando de 5 ml para 2,5 ml A saponina deverá deixar de ser um dos componentes da vacina contra a febre aftosa, informou o ministro Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento),......
Representantes se reúnem para debater a suinocultura12/07/18 Com o objetivo de debater o futuro da suinocultura independente, diversos produtores se reuniram no auditório da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS) na última semana. O foco central do encontro foi......

Voltar para Notícias (pt)